Últimas produções!

O mês de setembro foi muito produtivo!

Viajei para a Espanha, mais especificamente, Tarragona, cidade na região da Catalunha, a fim de participar do XXVIII Congreso Internacional de ASELE e apresentei a comunicação intitulada “Diccionarios didácticos en la enseñanza de lenguas y de Español como Lenguas Extranjeras: múltiples miradas, diversas posibilidades“, na qual discorri sobre as ponderações de especialistas acerca do papel dos dicionários pedagógicos nas atividades de produção e compreensão escritas. Além disso, como o tema do congresso era “Léxico e dicionário”, tive a honra de assistir a palestras de grandes metalexicógrafos(as) e lexicógrafos(as), tais como, Humberto Hernández, Concepción Maldona, Dolores Azorín Fernández, entre outros. Foi demais!

Agradeço à FAPESP a oportunidade de, mais uma vez, viajar à Espanha para divulgar minha pesquisa de Doutorado e usufruir de palestras enriquecedoras acadêmica e pessoalmente!

De volta ao Brasil, publiquei no blog Espanhol entre líneas, da minha amiga-professora Sara González Berrio, o texto “Diccionarios en línea: curiosidades y sugerencias“, no qual dou dicas de dicionários on-line de espanhol que podem ser muito úteis para quem está aprendendo a língua. Fiquei muito feliz com a oportunidade dessa parceria!

 

65º Seminário do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL)

Em julho, participei do 65º Seminário do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL), que ocorreu na UNESP, campus de Assis-SP.

Apresentei a comunicação “Dicionários pedagógicos na compreensão de textos em língua estrangeira: o que dizem os especialistas?”, cuja finalidade foi apresentar um panorama de pesquisas nacionais e internacionais sobre o apoio de dicionários pedagógicos e dicionários pedagógicos bilíngues nas atividades de compreensão de textos em língua estrangeira, a fim de verificar os seguintes itens: aspectos positivos, aspectos a melhorar nos dicionários bilíngues e dicionários pedagógicos bilíngues espanhol-português/português-espanhol, ponderações sobre o uso e a qualidade desse tipo de obra lexicográfica, questões para serem pensadas, crenças desmistificadas, possibilidades de uso em sala de aula, sugestões de aperfeiçoamento do material lexicográfico.

Adorei o evento: assisti a palestras incríveis e participei de dois minicursos, um ministrado por Roger Chartier e outro pelo Marcos Bagno. Foi demais!

Agradeço à FAPESP, por, mais uma vez, me proporcionar viagens acadêmicas enriquecedoras!

Artigo publicado!

O artigo “Consulente-aprendente de Espanhol como Língua Estrangeira: um olhar sobre o uso do dicionário”, escrito por mim e meu orientador, Prof. Dr. Odair Luiz Nadin, foi publicado na revista Diálogos Pertinentes, cujo Qualis CAPES é B2.

Estamos super felizes com a publicação!

É possível fazer o download do texto, clicando aqui ou acessando a aba Publicações, aqui no site. Feito o download, basta ir até a página 25 do arquivo: lá está o artigo. Espero que gostem!

Últimas produções de 2016

O mês de dezembro de 2016 foi bastante produtivo!

Fui parecerista da revista Trama, nota B1 de Qualis CAPES, a convite da Profa. Dra. Márcia Sipavicius Seide. Igualmente, um artigo em autoria com meu orientador, Prof. Dr. Odair Luiz Nadin, foi aprovado para publicação na revista Diálogos Pertinentes, cujo Qualis CAPES é B2.

Nosso texto, intitulado “Consulente-aprendente de Espanhol como Língua Estrangeira: um olhar sobre o uso do dicionário”, é fruto da pesquisa de campo de Doutorado. Em breve, vou disponibilizá-lo em pdf aqui no site.

Últimos congressos de 2016

Os dois últimos meses de 2016 foram intensos e produtivos, pois apresentei comunicações em três congressos:

  • “Humor, política e espanhol no Ensino Médio: uma experiência” (XVII Congresso da Sociedade Internacional de Estudo de Humor Luso-Hispânico/UNESP-Araraquara)
  • “Um olhar sobre a interculturalidade no ensino de língua materna” (XVII Semana de Letras/UNESP-Araraquara)
  • “Dicionários pedagógicos na produção de textos em língua estrangeira: um panorama lexicográfico” (I Simpósio sobre Léxico, Lexicografia e Tradução/Universidade Federal de Santa Catarina [UFSC])

A participação em todos os eventos foi muito enriquecedora. E a do último congresso, na UFSC, foi particularmente especial, pois reencontrei minha querida orientadora do Mestrado, Profa. Dra. Adja Balbino de Amorim Barbieri Durão. Igualmente, conheci e reencontrei pessoas queridas. O final não poderia ter sido melhor: a convite da Profa. Adja, fizemos um passeio por Floripa no dia seguinte ao término do congresso.

Nas fotos a seguir, Profa. Adja e eu; momento de minha apresentação; momento final das apresentações de minha sala.

Mariana_Adja_UFSC

Mariana_UFSC

Mariana_colegas_UFSC

Agradeço imensamente à FAPESP por me proporcionar participar de tantos congressos!

 

Manifesto de repúdio à MP do Ensino Médio

Juntamente com meus amigos e colegas do Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa da UNESP, campus de Araraquara-SP, fizemos um manifesto de repúdio à recém-lançada MP 746, a MP do Ensino Médio, especialmente no tocante à exclusão da disciplina de Língua espanhola da grade curricular. É de fundamental importância que nós, alunos, professores e pesquisadores, profundamente implicados na Educação, manifestemo-nos contrariamente à essa medida provisória, um verdadeiro retrocesso.

Divulgada no Programa e publicada no portal Esquerda Diário, segue o nosso manifesto:

MANIFESTO DE REPÚDIO À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 746, DE 22 DE SETEMBRO DE 2016

Nós, alunos e ex-alunos da Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa, da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), campus de Araraquara, vimos a público manifestar nosso repúdio enquanto professores e pesquisadores de línguas, dentre elas, a língua espanhola, com relação às alterações no âmbito da Educação Básica brasileira, através da Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016, sobretudo, no tocante à revogação da Lei nº 11.161/2005, que prevê a obrigatoriedade do ensino do espanhol no Ensino Médio.

A revogação da referida lei, feita de maneira impositiva, sem consulta à sociedade brasileira, em especial, aos atores sociais do ambiente escolar, vai na contramão das tendências mais atuais no contexto de ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras, as quais preveem a formação intercultural do aluno, por meio do contato com línguas e culturas diversas à(s) sua(s); reforça a falácia de que lugar de aprender línguas estrangeiras não é na escola; ignora a condição de Brasil enquanto país latino-americano, cujos vizinhos são países hispanofalantes, com os quais se podem estabelecer, comprovadamente, profícuas relações culturais; reduz as possibilidades de atuação do aluno na sociedade e no mundo em que vive.

Dessa forma, ratificamos, por meio deste manifesto de repúdio, que as línguas estrangeiras integram a formação cultural e cidadã do aluno do Ensino Médio, possibilitando sua interlocução com o mundo globalizado e, especialmente, em relação ao ensino-aprendizagem da língua espanhola, esta proporciona, também, diálogo e integração com os povos da América Latina.

Atenciosamente,

Bárbara Melissa Santana (aluna de Mestrado)
Carolina Domladovac Silva (aluna de Mestrado)
Carolina Marques Déa (aluna de Mestrado)
Caroline Costa Lima (aluna de Mestrado)
Caroline Soler (aluna de Doutorado)
Cinthia Yuri Galelli (aluna de Doutorado)
Fernanda Tonelli (aluna de Doutorado)
Gabriela Guimarães Jeronimo (aluna de Doutorado)
Glaucia Mirian Silva Vaz (aluna de Doutorado)
Jessica Chagas de Almeida (aluna de Mestrado)
Jéssyca Camargo da Cruz (aluna de Mestrado)
Júlia Batista Alves (aluna de Doutorado)
Lígia De Grandi (aluna de Doutorado)
Lígia Egídia Moscardini (aluna de Doutorado)
Lucas Sutani Gastaldi (aluno de Mestrado)
Luíza Bedê Barbosa (aluna de Doutorado)
Mariana Centanin Bertho (aluna de Mestrado)
Mariana Daré Vargas (aluna de Doutorado)
Michel Ferreira dos Reis (aluno de Mestrado)
Parmênio Camurça Citó (aluno de Doutorado)
Patricia Veronica Moreira (aluna de Doutorado)
Renato Rodrigues Pereira (aluno de Doutorado)
Rosemeire Souza Pinheiro (aluna de Doutorado)
Sara González Berrio (aluna de Doutorado)
Sérgio Silva Campos (ex-aluno de Mestrado)
Sueli Fioravanti (ex-aluna de Mestrado)
Thiago Ferreira da Silva (aluno de Doutorado)
Yuri Araujo de Mello (aluno de Mestrado)

Araraquara, 07 de outubro de 2016.

IX Congresso Brasileiro de Hispanistas

Primeiramente, #foratemer

O golpe que sofremos em nossa democracia em 31/08/2016 é inadmissível e extremamente danoso. É preciso combatê-lo todos os dias e não deixar que a resignação impere em relação à nossa cidadania.

*

Nos dias 22, 23, 24 e 25 de agosto, aconteceu o IX Congresso Brasileiro de Hispanistas, na UNILA (Universidade Federal da Integração Latino-Americana) e na UNIOESTE (Universidade Estadual do Oeste do Paraná), em Foz do Iguaçu-PR.

Foi muito legal, pois, além de conferências e comunicações interessantes, os campi das universidades são lindíssimos e a cidade de Foz do Iguaçu é belíssima, com uma natureza exuberante e abundante.

Encontrei também amigos queridos, ambos professores da UNILA: a Júlia e o Fidel. Adorei!

No congresso, apresentei a comunicação “O perfil do dicionário pedagógico no ensino de Espanhol como Língua Estrangeira”, pequeno recorte de um capítulo da minha tese.

Segue o resumo do trabalho:

O perfil do dicionário pedagógico no ensino de Espanhol como Língua Estrangeira

Este trabalho propõe um diálogo entre o ensino de Espanhol como Língua Estrangeira (E/LE) e a Lexicografia Pedagógica. No momento de compreender textos, há espaço para: a) encorajar os alunos a ativarem seus conhecimentos prévios sobre a temática textual e inferirem os significados de itens lexicais desconhecidos; b) permitir e estimular a consulta a dicionários pedagógicos, quando necessário para a compreensão total e adequada do texto, já que, como afirma Schmitz (2011, p. 99), “O dicionário bilíngue me coloca no mundo real onde existem equivalentes seguros”. A produção textual, oral ou escrita, refere-se ao caminho língua materna → língua estrangeira feito pelo usuário do dicionário, a fim de expressar ideia ou conceito no idioma de aprendizagem. As informações linguísticas necessárias para compreender são diferentes das para produzir, portanto apresentamos o perfil do dicionário pedagógico para compreensão e do dicionário pedagógico para produção no ensino de Espanhol como Língua Estrangeira.

Agradeço à FAPESP, por ter me proporcionado viagem acadêmica tão enriquecedora!

64º Seminário do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL)

Nesse mês de julho, participei do 64º Seminário do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL), realizado na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), campus de Assis.

Apresentei a comunicação “O dicionário pedagógico bilíngue no ensino de língua estrangeira: verbetes ideais, verbetes reais”, parte das reflexões da minha pesquisa de Doutorado.

Segue o resumo da minha comunicação:

O dicionário pedagógico bilíngue no ensino de língua estrangeira: verbetes ideais, verbetes reais

O dicionário pedagógico é um material didático, de consulta, com o qual os alunos interagem, por meio das perguntas de língua que lhe fazem, cujos efeitos de uso reverberam entre os muros da escola e além dos muros dela: para a vida! Como assevera Coroa (2011), trata-se de obra intermediadora simbólica entre o mundo e o falante na construção dos significados linguísticos. No ensino de Espanhol como Língua Estrangeira (E/LE), o dicionário pedagógico bilíngue português-espanhol/espanhol-português pode prestar inestimável apoio aos alunos na realização de tarefas. Nos verbetes desse tipo de obra lexicográfica, espera-se ser seguido um padrão informacional de acordo com cada classe gramatical: substantivo, adjetivo, verbo, advérbio, pronome ou contrações. A existência de um padrão de verbete é relevante e imprescindível em um dicionário pedagógico, pois permite ao usuário acostumar-se ao texto lexicográfico e prever as informações com as quais vai se deparar quando da consulta, facilitando-a, por conseguinte. Igualmente, e esse ponto é crucial, relaciona-se aos usuários e às funções da obra lexicográfica, de modo a assegurar a coerência, tema caro ao dicionário pedagógico. Nenhuma informação, portanto, é, ou deveria ser, gratuita nessa obra: é necessária para o apoio à aprendizagem da língua de estudo do consulente. Entretanto, conforme análise de dicionários pedagógicos bilíngues de Espanhol como Língua Estrangeira, alguns pecam pela incoerência, ora pelo excesso de informações, ora pela falta delas, prejudicando, dessa forma, a consulta e a aprendizagem. Igualmente, certa inconsistência presente nas obras pode derivar do intento, em geral, não revelado nas introduções ou instruções de uso, de ampliar o público-alvo, a fim de contemplar as necessidades e as habilidades de aprendizagem de aprendentes brasileiros de Espanhol como Língua Estrangeira e de estudantes hispanofalantes de PLE (Português como Língua Estrangeira). Cientes, portanto, da importância do dicionário pedagógico contexto escolar, elencamos as principais características de verbetes de dicionários pedagógicos bilíngues português-espanhol/espanhol-português para estudantes brasileiros de E/LE, contrapondo o verbete ideal ao possível, real.

Fiquei muito realizada de participar, pela primeira vez, desse importante e imprenscindível evento da área de Letras.

Agradeço à FAPESP por me proporcionar participar de eventos tão importante para minha formação acadêmica!

Abaixo, estão fotografias da minha apresentação, tiradas pela equipe do evento.

Mariana GEL 2016

Mariana GEL 2016_2

VII Congreso Internacional de Lexicografía Hispánica

Na semana passada, nos dias 27, 28 e 29 de julho, participei, em Santander, na Espanha, do VII Congreso Internacional de Lexicografía Hispánica, apresentando o trabalho “Destrezas escritas y diccionarios pedagógicos bilingües de español lengua extranjera: estableciendo parámetros lexicográficos”. Minha comunicação tratou do andamento do meu projeto de Doutorado.

Meu orientador, Prof. Odair Luiz Nadin, e meus amigos de Doutorado, Lígia e Renato, acompanharam-me nessa jornada, e todos também apresentaram trabalhos no congresso. Foi demais, porque além de termos assistido às palestras de grandes e importantes nomes da Lexicografia, como Humberto Hernández Hernández, Josefa Martín García, Sven Tarp, entre tantos outros, Santander, cidade que sediou o evento, é linda demais, de praias esplêndidas e clima bastante fresco.

Depois, dos dias 30 de junho a 2 de julho, estivemos em Madrid e nos encontramos com a Profa. Dra. María Teresa Fuentes Morán, da Universidad de Salamanca (USAL), para tratar de questões relacionadas ao Projeto de pesquisa coordenado pelo meu orientador, “Lexicografia pedagógica bilíngue: elaboração de um protótipo de dicionário português-espanhol para a produção de textos”, financiado pela FAPESP e do qual sou integrante.

Assim, minha semana foi rica em conhecimentos acadêmicos e experiências culturais. E foi minha primeira vez na Europa. I-n-d-e-s-c-r-i-t-í-v-e-l!

Agradeço à FAPESP, por me proporcionar viagens incríveis pelo e para o conhecimento.

Na foto abaixo, estamos a Lígia e eu, em Santander, em frente ao Mar Cantábrico. Embora os santanderinos curtissem a praia e sentissem muito calor, nós estávamos é com muito frio. rsrs

Santander 2016

VI Congresso Nordestino de Espanhol: “O Nordeste em foco”

Escrevo diretamente de Salvador, Bahia!

Vim aqui para participar do VI Congresso Nordestino de Espanhol: “O Nordeste em foco” e apresentar a comunicação “Um olhar sobre o dicionário pedagógico bilíngue para o ensino de Espanhol como Língua Estrangeira”, cuja finalidade é expor os elementos presentes (e sobre eles refletir) na superestrutura de sete dicionários pedagógicos bilíngues para estudantes brasileiros de E/LE, parte do corpus da minha pesquisa de Doutorado e disponíveis no mercado editorial.

Tem sido ótimo estar aqui: encontrei minhas queridas e importantes professoras da graduação na UEL, conheci a UFBA (Universidade Federal da Bahia), sonho meu, e, também, tenho podido conversar com meus colegas de profissão de vários estados do Nordeste. Tudo de bom!

Agradeço, mais uma vez, à FAPESP, por me propiciar viajar a lugares maravilhosos e conhecer importantes instituiçõe universitárias, para divulgar minha pesquisa de Doutorado.